SÉRIES E TV 

Stranger Things – Segunda Temporada – Crítica

Eu sou fissurada por tudo da década de 80 então vocês podem imaginar o quanto amei não só as trinta mil referências de séries, filmes e músicas da primeira temporada de Stranger Things como figurino, direção de arte e tudo mais. E posso garantir que The Duffer Brothers continuaram o maravilhoso trabalho na segunda temporada, com muito suspense e esse elenco juvenil amado e querido. Eles são maravilhosos não?

Mas, ao mesmo tempo em que amei, não estou tão cega pela minha paixão. Eu amo ficção científica e adorei de verdade o conceito do mundo invertido, que lá tem uma presença maligna que quer destruir e matar, que tinha um laboratório que fazia experimentos, etc e tal. Mas, a mesma receita de bolo da primeira temporada foi copiada na segunda e isso me deixa um tanto quanto chateada. Vamos analisar?

Vocês se recordam que durante a trama da primeira temporada existiam três núcleos distintos? As crianças se reúnem porque querem esconder a Eleven (Millie Bobby Brown) e entender melhor o mundo invertido e onde está Will (Noah Schnapp). Os adolescentes se relacionam em torno do sumiço da Barb (Shannon Purser) e de um triângulo amoroso. Enquanto isso, os adultos investigam o sumiço de Will e tentam correlacionar as luzes com as mensagens dele no mundo invertido. Certo?

Na segunda temporada, essa divisão permanece. As crianças agora têm mais uma amiga, Max (Sadie Sink). Gostei dela, por sinal. Afinal, o grupo precisa de uma menina, já que Eleven não está integrada ao grupo dessa vez. Eles tentam lidar com episódios e crises de Will depois de seu retorno. As crianças agora escondem um monstrinho (não entrarei em detalhes). Os adolescentes permanecem ligados ao sumiço de Barb, mas agora eles querem que os culpados por sua morte paguem o preço e o triângulo amoroso continua. Já os adultos espalham pela casa desenhos de Will e tentam correlacionar com o mapa da cidade e isso tem a ver com o mundo invertido.

                                                                   A nova personagem da temporada é uma adição coerente

Percebem que esse modelo de narrativa pode até ser legal mas se ficar se repetindo toda temporada vai ser enjoativo? Esse é o meu medo. Gostaria muito que a série continuasse tendo o bom desempenho que se manteve na segunda com no máximo mais uma temporada e pronto. Se prolongar mais estraga. De resto? Maravilhoso! Ah, só pra acrescentar que temos um episódio a mais nessa temporada (9) e isso faz toda a diferença. Assistam e me digam se vocês concordam comigo.

Nota: 4,5

Relacionados

[gs-fb-comments]