MÚSICA 

Wesley Safadão no KM de Vantagens Hall 2017 – Crítica

Retornando ao Rio de Janeiro, Wesley Safadão realiza uma apresentação cheia de energia, como muitos nunca haviam visto.

No Km de Vantagens Hall, casa de shows no subsolo do Via Parque Shopping, com uma distribuição bem organizada e lotada de cariocas que nunca haviam visto de perto o cantor, como foi levantado pelo próprio em certo momento da apresentação, a banda bem posicionada entrou e aguardou a entrada do astro cearense do forró eletrônico. A apresentadora animou a galera com o clássico grito de guerra Vai, Safadão! chamando pela entrada do cantor que surgiu no palco com toda empatia. Foi realizada a setlist do ano, semelhante a apresentações recentes como a de Niterói, passando por hits recentes como a canção pela liberdade Fala Aqui Com A Minha Mão, Coração Machucado e outros mais antigos como o dramático Camarote. O artista não dispensou seus colabs, como o recente e hino do desapego Você Partiu Meu Coração, em parceria com os cantores Nego do Borel e Anitta – que inclusive apresentou a mesma canção no Show das Poderosinhas no dia seguinte, como você poder ver aqui, e o hino da sofrência Ninguém de Ferro, em parceria com Marília Mendonça

O show continuou explosivo com seu funkmix Ela Domina O Ratatá Tum Tum e seu colab Olha A Explosão, com o MC Kevinho. O cantor finalmente deu uma pausa para interagir com a galera, com brincadeiras perguntando quem namorava e quem era casado e quem havia terminado um relacionamento recentemente. Puxou do palco uma jovem recém-solteira que ainda conversava com seu ex-namorado e pediu para esta ligasse para este ver que ela estava no Show do Safadão. Prosseguiu apresentando canções que antes ainda não haviam sido tocadas no Km de Vantagens Hall como o romântico Ar Condicionado no 15 e o libertador Decreto Liberado Quem Bate Também Chora e outras já conhecidas como a romântica A Dama e o Vagabundo e o dramático Meu Coração Deu PT e Eu Não Voltei Atrás e o impetuoso Sou Ciumento Mesmo, Veja Só No Que Deu Novinha Vai No Chão. Mais e mais covers como Casado, Namorando, Solteiro do Tierry, Eu Sei de Cor da sua amiga Marília Mendonça, O Grave Bater do Mc Kevinho, Amiga Parceira de Pikeno e Menor.

Na reta final, o cantor expandiu sua interação com público, pegando nos smartphones da galera, filmando em selfie, e tacando para os público os sanduíches da produção. Explodindo todo mundo com o mais clássico Aquele 1%, seu colab com Marcos e Belutti, entre outros clássicos como Tim Tim e mais e mais covers, na intenção de provocar uma festa e não só divulgar sua discografia – até porque não há necessidade disto – como o medley de Olha o Gás, Na Farra – sua parceria com Dennis Dj, Oh Novinha Quero Te Ver Contente do Mc Don Juan, Namorar Pra Quê do Mc Kekel, os antigos hits de carnaval Um Morto Muito Louco Sou Praieiro e os clássicos da MPB País Tropical de Jorge Ben Jor e Não Quero Dinheiro do Tim Maia.

Todas as parcerias musicais do cantor não estavam presentes, mas não diminuíram o impacto e a emoção de escutar os colabs ao vivo. O espetáculo encerrou-se com seus hits Vou Dar Virote – brincando inclusive que as amigas iriam ter de levar quem bebeu muito para casa, e fechando com chave de ouro com Solteiro de Novo.

Nota: 4/5 (Bom)

Relacionados